5º Fórum em Roda Rio Preto discutirá sobre as diversas formas de assédio

5º Fórum em Roda Rio Preto discutirá sobre as diversas formas de assédio

Autor: Lucas Di Giuseppe

Quando se fala em assédio, muitas vezes a imagem que vem à cabeça de alguém pode ser diferente do que a outra pessoa pensa. Isso acontece porque existem diversas formas de assédio, por exemplo, pode ser alguns comportamentos que incomodam, importunam, humilham ou perseguem uma pessoa ou grupo específico, tem vários níveis.

O assédio pode acontecer no trabalho, em casa, na rua ou até mesmo na escola. Os tipos existentes de assédio são moral, sexual, verbal, psicológico e virtual. São comportamentos e ações que envolvem contato físico, sem o consentimento da outra pessoa, ou quando se é exposto constantemente à humilhação, tem alguns com xingamentos, ridicularização, insultos, provocações ou ameaças contra uma pessoa.

Não podemos esquecer quando se utilizam da tecnologia para ofender, hostilizar ou importunar uma pessoa ou um grupo específico com ameaças, comentários sexuais ou pejorativos. Além disso, são caracterizados como assédio: divulgação de dados ou informações pessoais e a propagação de discursos de ódio

Mas uma coisa é certa, a culpa nunca é da vítima! Insinuar que a culpa da violência sofrida pode ser da própria vítima faz com que muitas pessoas não busquem ajuda por medo de se sentirem culpadas. Além disso, tais afirmações diminuem a responsabilidade do agressor, como se ele fosse incapaz de controlar seu próprio comportamento.

Em todos os tipos de assédio o mais indicado é que a pessoa busque por ajuda e se informe sobre as medidas que podem ser tomadas. Em alguns casos, o correto é tratar judicialmente, em outras, o melhor a se fazer é buscar apoio emocional e psicológico.

Para saber mais quais são as formas de assédio, como se defender e onde denunciar, participe do 5º Fórum em Roda de Rio Preto com o tema: Vamos quebrar o silêncio! Assédio não!

Confirme sua presença no evento do Facebook: https://bit.ly/2GeItAz

Mediação > Joelma Caparroz

Imagem1Psicóloga clínica, proprietária do Instituto da Vida,
Professora, Palestrante, Perita em Avaliação Psicológica pela Universidade Tuiuti do Paraná, Coordenadora de Causa da Violência Contra Mulher do Grupo Mulheres do Brasil, núcleo São José do Rio Preto.

Joelma fará a abordagem de como podemos identificar o assédio e quando ele pode estar afetando alguém próximo a nós e como agir diante dessa informação e ou se formos a vítima.

Luciana Fontes

Imagem2

Advogada, Especialista em Direito Civil e Direito Processual Civil, Graduada em Letras Português/Francês, Mestranda em Literatura Brasileira.

Luciana abordará o respaldo jurídico para as pessoas que sofrem ou sofreram qualquer tipo de assédio.

 

 

 

Valquíria Faganelli Salmerón

Imagem3.png

Policial Militar a vinte e três anos e 2º Sargento,   Tecnóloga em Segurança Pública – Nível Supervisão I, Formada em Mediação Comunitária, Gestora em Justiça Restaurativa, Especialista em atendimento a Mulher em Condições de Violência, Participou da implantação do Eixo Social da Vara da Infância e Juventude, Ganhadora do Prêmio Rosa Fasanelli, pela Vara da Infância, Membro da Equipe ganhadora do Prêmio Mario Covas. Primeira secretaria do CONSEG Centro/Sul. Consteladora e mediadora Mediadora e conciliadora do TJ.

Faganelli abordará os tipos de assédio e suas consequências, como a geração da violência.

 

2019_Copersucar_Cartaz_FórumemRoda_RioPreto.jpg

Contamos com sua presença!

Confira como foi a 1ª visita do Conecta Ribeirão ao Terminal da Copersucar

Confira como foi a 1ª visita do Conecta Ribeirão ao Terminal da Copersucar

Autora: Gabriela Paitach

A 1ª turma do curso de Qualificação Profissional em Empreendedorismo do Conecta Ribeirão realizou em abril uma visita ao Terminal Multimodal da Copersucar, em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. O terminal multimodal (rodoviário e ferroviário) começou a operar em 2010 e concentra suas atividades nas operações de transbordo: recebe açúcar via transporte rodoviário e embarca em ferrovia, com destino ao Terminal Açucareiro Copersucar (TAC) no Porto de Santos (SP).

A visita trouxe diversos pontos de atenção, desde seguir as normas de segurança até inovar na forma de trabalhar, lembrando do mercado em constante transformação. Os alunos puderam observar e ter vivências por meio de interação com os responsáveis que foram prestativos e assertivos, sempre alinhados a cultura da empresa.

“Oportunidade única de aprendizagem, ver toda logística da Copersucar. A forma de inovação que a empresa tem é sensacional, nos faz perceber como empreendedores que devemos levar a sério e sempre inovar para fazermos o trabalho com sucesso. A Copersucar mostrou para nós alunos maneiras inovadoras de se diferenciar no mercado com excelência.” Depoimento da aluno do Conecta, Semíramis Paulino.

A visita agrega ao desenvolvimento do perfil empreendedor, uma vez que possibilita vivenciar:

  • Globalização
  • Tendência
  • Oportunidade
  • Riscos calculados
  • Planejamento
  • Logística
  • Construção e gerenciamento de equipes
  • Valor agregado
  • Normas de Segurança do trabalho.

A troca com os colaboradores foi rica em exemplos práticos e o ambiente foi muito receptivo não deixando dúvidas que a proposta da Copersucar em gerar experiência e profissionais empreendedores faz a diferença no mercado atual.

“Nós adoramos a visita dos alunos do Conecta, pois foi uma experiência nova tanto para eles quanto para nós! Preparamos tudo com muito carinho para que ficassem bem claras as informações sobre nossa empresa, afim de contribuir para o projeto e as ideias deles! Esperamos que todos tenham saído daqui satisfeitos e com sede de aprender e crescer!” Depoimento da Fernanda Ferreira, funcionária Copersucar.

Parabéns para todos os envolvidos direta e indiretamente! Confira mais alguns depoimentos e fotos da visita!

“Para mim tem sido algo incrível pois está me ajudando a quebrar muitas barreiras na qual sempre tive muita dificuldade, como por exemplo: falar em público, planejar, organizar e ter ideias sustentáveis e inovadoras. Então, só tenho a agradecer por esta grande oportunidade que a Copersucar juntamente com o Instituto Crescer está nos oferecendo.” Depoimento do aluno do Conecta, Bruno Ferreira.

“Imensamente surpresa com o tamanho profissionalismo, qualidade e organização da empresa Copersucar. Quem realmente tem essa grande oportunidade de conhecê-los sabe realmente o quão a empresa preza pelo bem-estar da sociedade e do mundo. Pois, é uma empresa no qual incentiva a sustentabilidade a todo instante de seus trabalhos. O curso de qualificação profissional conecta Copersucar tem contribuído de forma imensurável para o meu aprendizado. Tenho aprendido a cada dia coisas novas que tenho posto em prática no meu dia a dia: no profissional e no pessoal. E assim, pretendo e quero continuar aprendendo!” Depoimento da aluna do Conecta, Rachel Pierri.

 

 

Turma de Santos visita o Terminal Açucareiro Copersucar, confira!

Turma de Santos visita o Terminal Açucareiro Copersucar, confira!

Autora: Bianca Mondin

Os alunos que participam do curso de Empreendedorismo do Conecta de Santos tiveram a oportunidade de conhecer uma das maiores exportadoras de açúcar e etanol do Brasil. Eles realizaram uma visita ao TAC (Terminal Açucareiro Copersucar) no dia 03 de abril para conhecer os processos de armazenagem, transporte e controle de operação do açúcar, sendo orientados pelo coordenador do curso e funcionários da Copersucar, liderado pela analista de comunicação Bruna Duarte.

Foi um dia de muito conhecimento e aprendizado para todos, pois os alunos acompanharam o processo de descarregamento dos caminhões, toneladas de açúcar armazenados e o CCO (Centro de Controle Operacional), onde os colaboradores tem acesso a tudo que ocorre no Terminal.

“É absolutamente extraordinário o trabalho que é feito por essas pessoas, entender o quanto esse movimento é importantes para milhões de pessoas que consomem o produto e  ter noção do trabalho no processo de entrada e saída no armazém de açúcar” – depoimento da aluna Bianca Mondin.

Conhecer a empresa que realiza o Programa proporciona um momento de aprendizagem significativa, fazendo com que a partir de agora as pessoas tenham um olhar diferenciado sobre o açúcar consumido no dia a dia.  Isso permitirá uma vivência na prática para contar as pessoas que sequer imaginam os processos que são desenvolvidos até chegar definitivamente no produto final.

Confiram as fotos das visitas!

Vôlei Educacional promove quiz sobre a história do Voleibol! Confira

Vôlei Educacional promove quiz sobre a história do Voleibol! Confira

Autor: Gabriel Lage

Na última quarta-feira, dia 27/03/2019, em São José do Rio Preto/SP, os alunos do Vôlei Educacional foram surpreendidos com uma atividade diferente das vivenciadas normalmente da prática esportiva. Eles foram convocados a conhecer a história do voleibol no Brasil e no mundo através de recursos audiovisuais, assistindo o documentário “Brasil, o país do Vôlei”. A sessão do cinema ainda teve pipoca como acompanhamento ao processo de aprendizagem. Logo após a exibição, houve um pequeno debate sobre a história do vôlei e seus atenuantes nas conquistas e rotinas dos atletas profissionais. O objetivo era discutir a importância da história e a formação da paixão pelo esporte, sobretudo, como caminho para a aprendizagem e a construção do conhecimento através do documentário.

“Existem formas em que a atividade lúdica pode contribuir para a aprendizagem na educação dos jovens, pois notamos a sensação de prazer que envolve eles em atividades lúdicas, que por sua vez, desenvolvem maior interação com professores e colegas” salienta a professora Ariele Negrisole.

Após a exibição do documentário foi realizado na área livre da ECO – Escola de Competências Dep. Roberto Rollemberg, local onde as aulas são realizadas, um jogo de perguntas sobre o vídeo assistido para testarem o conhecimento adquirido, onde quem errasse a resposta ou ficasse sem responde-la levaria uma gostosa tortada de chantilly  no rosto.

“A brincadeira e os jogos não são apenas um passatempo, são também formas de despertar nas criança e jovens a autoconfiança, desenvolvimento psicomotor, afetividade e são as principais formas de sociabilização, pois através dos momentos lúdicos é que eles aprendem regras e limites no qual usará respeitosamente no dia a dia com os colegas” afirma o professor Victor Hugo Vitoreti.

O brincar está presente no nosso cotidiano, pois é fundamental e relevante para o desenvolvimento humano e somando-se a isto, um dos  pilares do Vôlei Educacional é proporcionar a sociabilização e troca de experiências, através de uma prática saudável e cooperativa. A brincadeira é uma rica fonte de comunicação, o jogo é uma maneira de os jovens interagirem entre si.

*O Programa Conecta, oferece oficinas de Vôlei gratuitas em Rio Preto pelo Projeto Vôlei Educacional que é uma realização do Instituto Crescer, Lei Paulista de Incentivo e Governo do Estado de São Paulo, tendo como parceria a Copersucar. Além do apoio local da prefeitura de Rio Preto.

As Inscrições podem ser realizadas no local (Rua Geraldo Barbosa de Oliveira, 2901 – Jardim Santo Antônio Rio Preto) de quarta e sexta- feira das 10h às 18h com a Equipe técnica do projeto ou através do link:

https://goo.gl/forms/CWRTMLDoCkf8ebYh2

Confira algumas fotos desse dia especial!

 

Saúde Mental é o tema do 1º Fórum em Roda de Ribeirão!

Saúde Mental é o tema do 1º Fórum em Roda de Ribeirão!

Autor: Lucas Di Giuseppe

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, os transtornos mentais serão a principal causa de incapacitação no mundo em 2030. Estima-se 30% da população sofre, ou venha a sofrer, em algum momento da vida, problemas de saúde mental. A depressão é a doença mental mais frequente, sendo uma das causas que mais incapacita.

Ao longo da vida, todos nós podemos ser afetados por problemas de saúde mental, de maior ou menor gravidade. Algumas fases, como a entrada na escola, a adolescência, a menopausa e o envelhecimento, ou acontecimentos e dificuldades, tais como a perda de familiar próximo, o divórcio e o desemprego podem ser causa de perturbações da saúde mental. Fatores genéticos e traumáticos podem também estar na origem de doenças mentais graves.

Um estudo com escolas públicas de São Paulo e do Rio Grande do Sul, mostra que 80% dos estudantes com algum transtorno mental — como por exemplo ansiedade, fobias, déficit de atenção, hiperatividade ou esquizofrenia — não recebem tratamento médico nem psicológico. A tecnologia também pode ser um fator que afeta a saúde mental. Uma pesquisa apontou que o Instagram é a rede social mais perigosa para a saúde mental, desencadeando diversos problemas alarmantes como depressão e ansiedade. Diante da situação, o aplicativo passou a informar o contato do Centro de Valorização da Vida, além de dar dicas de saúde mental, sempre que o usuário digitar na aba “Pesquisar” as hashtags #ansiedade ou #depressão.

As pessoas afetadas por problemas de saúde mental são muitas vezes incompreendidas, estigmatizadas, excluídas ou marginalizadas, devido a falsos conceitos, que é importante esclarecer e desmistificar, como dizer que as doenças mentais são fruto da imaginação ou que não têm cura. O tratamento deverá ser sempre procurado, uma vez que a recuperação é mais eficaz quando tratado no estágio inicial. Mesmo nas doenças mais graves é possível controlar e reduzir os sintomas.

Para saber mais quais as causas, como manter uma boa saúde mental e como procurar tratamento, participe do 1º Fórum em Roda em Ribeirão Preto com o tema: Saúde mental: entender, superar e ajudar.

Confirme sua presença no evento do Facebook: https://bit.ly/2TURgv0

Mediação > Carlos Eduardo Cervilieri

Carlos-professor-G.Q.V.T.___.pngGraduado em Psicologia pela Universidade Paulista, pós-graduação em gestão de negócios no Centro Universitário Barão de Mauá, pós-graduação em Novas Tecnologias para o Ensino da Matemática Universidade Federal Fluminense. Mestrando em Psicologia Universidade de São Paulo. Professor no Senac Ribeirão Preto, com experiência na área de psicologia, educação e empresas atuando principalmente com os temas: psicologia e saúde do trabalhador e atuação na psicologia clínica com orientação psicanalítica.

 

Márcia de Paula Oliveira

IMG-20190408-WA0066Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia.  Pós-graduada em Psicopedagogia pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais. Pós-graduada em Neuropsicopedagogia, Educação Especial e Atendimento Educacional Especializado pela Faculdade Campos Elíseos. Palestrante e conferencista. Atua na Secretaria Municipal de Educação de Serrana, no atendimento psicopedagógico das escolas de ensino fundamental, desde o ano 2000. Ministra cursos de formação para monitoras de creche, professores e administrativo das escolas municipais. Coordena Atendimento Educacional Especializado.

 

2019_Copersucar_Cartaz_FórumemRoda_Ribeirão

Contamos com sua presença!

10° Fórum em Roda de Santos discutirá a responsabilidade no uso das redes sociais

10° Fórum em Roda de Santos discutirá a responsabilidade no uso das redes sociais

Autora: Andréia Cunha

Atualmente, é cada vez mais comum uma informação pulverizar diante dessa era da informação no qual estamos vivenciando em pleno século XXI e com isso se deparar com uma noticia com fontes confiáveis se torna um desafio perante o fluxo de atualizações e proporções que uma noticia falsa pode alcançar nas redes sociais, a famosa “fake news”. Segundo levantamento feito por veículos de comunicação, como a Folha de São Paulo, ás páginas de Fake News, de 2017 a 2018, obtiveram um crescimento de 61% . Diante disso, qual seria a nossa responsabilidade no uso das redes sociais? Como a propagação de notícias falsas interferem em nossas vidas?

Cada vez mais devemos ter consciência da veracidade da informação que chega até nós antes de sair compartilhando ou dando opiniões sobre tal, pois dependendo do fato que esta sendo noticiado acaba envolvendo pessoas inocentes que acabaram caindo em situações controversas. Isso faz com que elas fiquem expostas na mídia por acusações falsas, e uma vez que sua imagem ou seu nome ganha proporções na rede, é difícil limpar a credibilidade depois do ocorrido, mesmo comprovando sua inocência. São impactos gerados pelo mau uso das redes sociais.

Além das “fake news”, é de extrema importância ter a consciência que as redes sociais são a nossa vitrine para esse mundo virtual. Uma dica é moderar o que é postado, compartilhado e defendido em nossos perfis, pois nem sempre devemos exibir tudo do nosso dia a dia para os seguidores. Muitas vezes esquecemos que temos em nossa rede pessoas da Família, outras do ambiente de trabalho e etc, ou seja, as vezes uma informação familiar não precisa ser exposta, assim como privacidades que podem comprometer no trabalho.

Gostou da temática? Então venha participar do Fórum em Roda! Queremos saber sua opinião sobre o assunto e esclarecer algumas questões que envolvem as redes sociais.

Confirme sua presença no evento do Facebook: https://bit.ly/2UjihNN

Mediação > Rodrigo Stipp

0

Experiência em desenvolvimento de ações para empresas nas redes sociais, ações de marketing digital. Coordenação de campanhas publicitárias e veiculação de anúncios, marketing de conteúdo em blogs específicos. Acompanhamento diário das novidades tecnológicas e do mercado. Conhecimentos em SEO, SEM, Google Analytics, Adwords, Adsense, ferramentas de métrica digital, planejamento e posicionamento de marcas online e offline. Desenvolvimento de conteúdo, marketing de afiliados, gestão de e-mail marketing em plataforma de disparos  e análise de relatórios.

 

2019_Copersucar_Cartaz_FórumemRoda_Santos

Contamos com sua presença!

Confira como foi a primeira aula de Gestão da Qualidade de Vida em Santos!

Confira como foi a primeira aula de Gestão da Qualidade de Vida em Santos!

Autor: Eric Gomes Simões

No Conecta Santos, os alunos tiveram a primeira aula do módulo de Gestão da Qualidade de Vida e Trabalho, cujo tema foi “autocuidado”. A qualidade de vida da população brasileira não anda favorável e devido à correria do dia a dia, homens e mulheres estão deixando de se cuidar mentalmente e fisicamente.

Antigamente acreditava-se que o homem, por conta da jornada de trabalho, sofria grande desgaste físico e mental devido à alimentação inadequada, cumprimento de horários, discussões e más noites de sono, gerando um grande estresse, resultando numa expectativa de vida menor. Segundo o IBGE, as mulheres vivem em média sete anos a mais que os homens e com a entrada da mulher no mercado de trabalho, foi provado que elas continuam vivendo mais, mesmo tendo dupla jornada de trabalho, como trabalhar fora, cuidar da casa e filhos. Acredita-se que a longevidade feminina se dá, pois elas vão com mais frequência aos médicos, fazem exames e consultas de rotina mais que os homens.

Para se ter uma melhor qualidade de vida, o melhor remédio é o sono, assunto esse que também foi abordado em sala de aula. Uma noite de sono bem dormida consiste no principal momento de reparação, regeneração e recuperação do corpo e não pode, de maneira alguma, estar desequilibrado. Hábitos diários podem ser adotados para ter uma ótima qualidade de vida:

  • Dormir de seis a oito horas em médias por dia – a energia e a disposição são recuperadas, fora que combate a obesidade e o estresse.
  • Alimentar-se saudavelmente – evita doenças futuras.
  • Ter momentos de lazer com família ou amigos – um momento de descontração irá trazer diversos benefícios para a saúde.
  • Praticar pelo menos 30 minutos de atividade física moderada diariamente – melhora o condicionamento físico, o tônus muscular, alivia o stress e oxigena o cérebro.

Tente evitar:

  • Ficar horas em redes sociais – separe um tempo para poder utilizar o mesmo.
  • Alimentos industrializados – fast food e refrigerantes fazem mal à saúde.
  • Drogas ilícitas e tabagismo – eles atuam na parte cognitiva e na coordenação motora.
  • Bebidas alcoólicas – eles atuam no cognitivo e na alteração no campo visual.

A qualidade de vida depende de cada um de nós, vivendo saudavelmente e respeitando o limite do nosso corpo, podemos ter esperança que no futuro iremos envelhecer com felicidade e saúde.

Veja algumas fotos da aula 😉